Risposta a Covid-19: Leggi il rapporto dell'Assemblea mondiale della sanità presso l'OMS

Projeto de resolução proposto pela Albânia, Austrália, Bangladesh, Bielorrússia, Butão, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Djibuti, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Islândia, Índia, Indonésia, Japão, Jordânia, Cazaquistão, Malásia, Maldivas, México, Mônaco, Montenegro, Nova Zelândia, Macedônia do Norte, Noruega, Paraguai, Peru, Catar, República da Coréia, República da Moldávia, Federação Russa, São Marinho, Arábia Saudita, o Grupo Africano e seus países membros, União Europeia e Estados-Membros, Tunísia, Turquia, Ucrânia e Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte

A Assembleia Mundial da Saúde: Tendo considerado as notas do Diretor-Geral sobre a pandemia em curso do COVID-19,

PP1 – Profundamente preocupado com a morbimortalidade causada pela pandemia do COVID-19, os impactos negativos na saúde física e mental e no bem-estar social, os impactos negativos na economia e na sociedade e a conseqüente exacerbação das desigualdades dentro e entre países;

PP2 – Expressar solidariedade a todos os países afetados pela pandemia, bem como condolências e simpatia a todas as famílias das vítimas da COVID-19;

PP3 – Sublinhando a responsabilidade primária dos governos de adotar e implementar respostas à pandemia do COVID-19 específicas do seu contexto nacional, bem como de mobilizar os recursos necessários para isso;

PP4 – Recordando o mandato constitucional da OMS de atuar, entre outros, como autoridade dirigente e coordenadora do trabalho internacional em saúde, e reconhecendo seu papel de liderança fundamental na resposta mais ampla das Nações Unidas e a importância de uma cooperação multilateral fortalecida para enfrentar a pandemia e o COVID-19. seus extensos impactos negativos;

PP5 – Recordando a Constituição da OMS, que define saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade, e declara que o gozo do mais alto padrão de saúde possível é um dos direitos fundamentais de todo ser humano, sem distinção de raça, religião, crença política, condição econômica ou social;

PP6 – Recordando a declaração de uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional sobre o novo Coronavírus (2019-nCoV) em 30 de janeiro de 2020 pelo Diretor-Geral; e as recomendações temporárias emitidas pelo Diretor-Geral sob o Regulamento Sanitário Internacional (2005, RSI), mediante parecer do Comitê de Emergência da COVID-19;

PP7 – Recordando as resoluções da Assembléia Geral das Nações Unidas A / RES / 74/270 sobre “Solidariedade global para combater a doença de coronavírus 2019 (COVID-19)” e A / RES / 74/274 sobre “Cooperação internacional para garantir o acesso global a medicamentos , vacinas e equipamentos médicos para enfrentar o COVID-19 ”;

PP8 – Observando a resolução EB146.R10, intitulada “Fortalecendo a preparação para emergências sanitárias: implementação do Regulamento Sanitário Internacional (2005)” e reiterando a obrigação de todos os Partiesto implementarem e cumprirem integralmente o RSI;

PP9 – Observando o Plano Estratégico de Preparação e Resposta da OMS (SPRP) e o Plano Global de Resposta Humanitária para COVID-19;

PP10 – Reconhecendo que a pandemia do COVID-19 afeta desproporcionalmente os pobres e as pessoas mais vulneráveis, com repercussões nos ganhos em saúde e desenvolvimento, em particular nos países de baixa e média renda e em desenvolvimento, dificultando a consecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e Cobertura Universal de Saúde (UHC), inclusive por meio do fortalecimento da Atenção Primária à Saúde, e reiterando a importância de esforços contínuos e concertados e da prestação de assistência ao desenvolvimento, além de reconhecer com profunda preocupação o impacto dos altos níveis de dívida na capacidade dos países de suportar o impacto do choque COVID-19;

PP11 – Reconhecendo ainda os impactos negativos da pandemia de COVID-19 na saúde, incluindo fome e desnutrição, aumento da violência contra mulheres, crianças e profissionais de saúde da linha de frente, além de interrupções no atendimento a idosos e pessoas com deficiência;

PP12 – Enfatizando a necessidade de proteger populações, em particular pessoas com condições de saúde pré-existentes, idosos e outras pessoas em risco de COVID-19, incluindo profissionais de saúde, profissionais de saúde e outros trabalhadores relevantes da linha de frente, especialmente mulheres que representam a maioria dos força de trabalho em saúde, bem como pessoas com deficiência, crianças e adolescentes e situações invulneráveis, e enfatizando a importância de medidas sensíveis à idade, gênero e sensíveis à deficiência a esse respeito;

PP13 – Reconhecendo a necessidade de todos os países terem acesso oportuno e sem impedimentos a diagnósticos, terapêuticos, terapêuticos, medicamentos e vacinas de qualidade, seguros, eficazes e acessíveis, e tecnologias essenciais de saúde, seus componentes e equipamentos para a resposta ao COVID-19;

PP14 – Observando a necessidade de garantir o acesso seguro e sem impedimentos do pessoal humanitário, em particular o pessoal médico que responde à pandemia do COVID-19, seus meios de transporte e equipamentos, e para proteger hospitais e outras instalações médicas, bem como a entrega de suprimentos e equipamentos, a fim de permitir que esse pessoal desempenhe com eficiência e segurança sua tarefa de assistência às populações civis afetadas;

PP15 – Recordando a resolução 46/182, de 19 de dezembro de 1991, sobre o fortalecimento da coordenação da assistência humanitária de emergência das Nações Unidas e todas as resoluções subsequentes da Assembléia Geral sobre o assunto, incluindo a resolução 74/118 de 16 de dezembro de 2019.

PP16 – Sublinhando que o respeito ao direito internacional, incluindo o direito internacional humanitário, é essencial para conter e mitigar os surtos de COVID-19 em conflitos armados;

PP17 – Reconhecendo ainda os muitos impactos imprevistos da saúde pública, os desafios e as necessidades de recursos gerados pela pandemia do COVID-19 em andamento e as potenciais reemergências, bem como a multidão e a complexidade de intervenções imediatas e de longo prazo, coordenação e colaboração necessárias a todos os níveis de a governança entre organizações e setores, incluindo a sociedade civil e o setor privado, exige uma resposta eficiente e coordenada da saúde pública à pandemia, não deixando ninguém para trás;

PP18 – Reconhecendo a importância do planejamento e preparação da fase de recuperação, inclusive para mitigar o impacto da pandemia e das conseqüências não intencionais das medidas de saúde pública na sociedade, saúde pública, direitos humanos e economia;

PP19 – Expressando otimismo de que a pandemia do COVID-19 possa ser mitigada, controlada e superada com sucesso por meio da liderança e cooperação, unidade e solidariedade globais sustentadas;

OP1 – Solicita, no espírito de unidade e solidariedade, intensificação da cooperação e colaboração em todos os níveis para conter, controlar e mitigar a pandemia do COVID-19;

OP2 – Reconhece o papel-chave de liderança da OMS e o papel fundamental do sistema das Nações Unidas na catalização e coordenação da resposta global abrangente à pandemia do COVID-19 e aos esforços centrais dos Estados Membros;

OP3 – Expressa sua mais alta apreciação e apoio à dedicação, esforços e sacrifícios, acima e além do dever dos profissionais de saúde, profissionais de saúde e outros trabalhadores relevantes da linha de frente, bem como o Secretariado da OMS, em resposta ao COVID-19 pandemia;

OP4 – Solicita o acesso universal, oportuno e equitativo e distribuição justa de todas as tecnologias e produtos essenciais de saúde de qualidade, seguros, eficazes e acessíveis, incluindo seus componentes e precursores necessários na resposta à pandemia de COVID-19 como prioridade global, e remoção urgente de obstáculos injustificados; consistente com as disposições dos tratados internacionais relevantes, incluindo as disposições do acordo TRIPS e as flexibilidades confirmadas pela Declaração de Doha sobre o Acordo TRIPS e a Saúde Pública;

OP5 – Reitera a importância de atender urgentemente às necessidades dos países de baixa e média renda, a fim de preencher as lacunas para superar a pandemia por meio de desenvolvimento oportuno e adequado e assistência humanitária;

OP6 – Reconhece o papel da imunização extensiva contra o COVID-19 como um bem público global para a saúde na prevenção, contenção e interrupção da transmissão, a fim de pôr fim à pandemia, uma vez que vacinas seguras, de qualidade, eficazes, eficazes, acessíveis e acessíveis acessível;

OP7 – Exorta os Estados-Membros, no contexto da pandemia do COVID-19, a:

  • OP7.1 – Implementar toda uma resposta do governo e de toda a sociedade, incluindo a implementação de um plano de ação nacional COISTER-19 intersetorial que delineie ações imediatas e de longo prazo, com vistas a fortalecer de maneira sustentável seu sistema de saúde e assistência social e apoiar sistemas, capacidade de preparação, vigilância e capacidade de resposta, além de levar em conta, de acordo com o contexto nacional, as orientações da OMS, envolver-se com as comunidades e colaborar com as partes interessadas relevantes;
  • OP7.2 – Implementar planos de ação nacionais, implementando, de acordo com seus contextos específicos, medidas abrangentes, proporcionadas, com prazo determinado, sensíveis à idade e à deficiência e sensíveis ao gênero nos setores do governo contra o COVID-19, garantindo o respeito pelos direitos humanos. direitos e liberdades fundamentais e prestando especial atenção às necessidades das pessoas em situações vulneráveis, promovendo a coesão social, adotando as medidas necessárias para garantir proteção social, proteção contra dificuldades financeiras e prevenção de insegurança, violência, discriminação, estigmatização e marginalização;
  • OP7.3 – Garantir que as restrições à circulação de pessoas e de equipamentos médicos e medicamentos no contexto do COVID-19 sejam temporárias e específicas e incluam exceções ao movimento de trabalhadores humanitários e de saúde, incluindo agentes comunitários de saúde, para cumprir seus deveres e para a transferência de equipamentos e medicamentos exigidos pelas organizações humanitárias para suas operações;
  • OP7.4 – Tomar medidas para apoiar o acesso à água potável, saneamento e higiene e prevenção e controle de infecções, garantindo que seja dada atenção adequada à promoção de medidas de higiene pessoal em todos os ambientes, incluindo ambientes humanitários e particularmente nos serviços de saúde;
  • OP7.5 – Manter o funcionamento contínuo do sistema de saúde em todos os aspectos relevantes, de acordo com o contexto e as prioridades nacionais, necessários para uma resposta eficaz da saúde pública à pandemia do COVID-19 e outras epidemias em andamento, e ao fornecimento ininterrupto e seguro de serviços de nível populacional e individual, para, entre outras, doenças transmissíveis, inclusive por programas de vacinação ininterruptos, doenças tropicais negligenciadas, doenças não transmissíveis, saúde mental, saúde materna e infantil e saúde sexual e reprodutiva e promover melhor nutrição para mulheres e crianças, reconhecendo neste considerar a importância de aumentar o financiamento interno e a assistência ao desenvolvimento, quando necessário, no contexto da consecução do UHC;
  • OP7.6 – Fornecer à população informações confiáveis ​​e abrangentes sobre o COVID-19 e as medidas tomadas pelas autoridades em resposta à pandemia, e tomar medidas para combater desinformação e desinformação e atividades cibernéticas maliciosas;
  • OP7.7 – Fornecer acesso a testes seguros, tratamento e cuidados paliativos para o COVID-19, prestando atenção especial à proteção daqueles com condições de saúde pré-existentes, idosos e outras pessoas em risco, em especial profissionais de saúde, saúde trabalhadores e outros trabalhadores relevantes da linha de frente;
  • OP7.8 – Fornecer aos profissionais de saúde, profissionais de saúde e outros trabalhadores relevantes da linha de frente expostos ao COVID-19, acesso a equipamentos de proteção individual e outros produtos e treinamentos necessários, inclusive no fornecimento de apoio psicossocial, tomando medidas para sua proteção no trabalho, facilitando seu acesso ao trabalho e a provisão de sua remuneração adequada, considere também a introdução do compartilhamento e da troca de tarefas para otimizar o uso de recursos;
  • OP7.9 – Aproveitar as tecnologias digitais para a resposta ao COVID-19, inclusive para abordar seu impacto socioeconômico, prestando atenção especial à inclusão digital, empoderamento do paciente, privacidade e segurança dos dados, questões legais e éticas e proteção de dados pessoais;
  • OP7.10 – Fornecer informações oportunas, precisas e suficientemente detalhadas sobre saúde pública da OMS relacionadas à pandemia de COVID-19, conforme exigido pelo RSI;
  • OP7.11 – Compartilhar, conhecimento relacionado ao COVID-19, lições aprendidas, experiências, melhores práticas, dados, materiais e mercadorias necessárias na resposta à OMS e a outros países, conforme apropriado;
  • OP7.12 – Colaborar para promover a pesquisa e o desenvolvimento do setor privado e financiados pelo governo, incluindo inovação aberta, em todos os domínios relevantes sobre as medidas necessárias para conter e encerrar a pandemia do COVID-19, em particular vacinas, diagnósticos e terapêuticas e compartilhar relevantes informação com a OMS;
  • OP7.13 – Otimizar o uso prudente de antimicrobianos no tratamento de COVID-19 e infecções secundárias, a fim de impedir o desenvolvimento de resistência antimicrobiana;
  • OP7.14 – Fortalecer as ações para envolver a participação das mulheres em todas as etapas dos processos de tomada de decisão e integrar a perspectiva de gênero na resposta e recuperação do COVID-19;
  • OP7.15 – Fornecer financiamento sustentável para QUEM garantir que ele possa responder plenamente às necessidades de saúde pública na resposta global ao COVID-19, sem deixar ninguém para trás;

OP8 – APELA a organizações internacionais e outras partes interessadas relevantes para:

  • OP8.1 – Apoiar todos os países, mediante solicitação, na implementação de seus planos de ação nacionais multissetoriais e no fortalecimento de seus sistemas de saúde para responder à pandemia do COVID-19, e na manutenção do fornecimento seguro de todas as outras funções essenciais de saúde pública e Serviços;
  • OP8.2 – Trabalhar em colaboração em todos os níveis para desenvolver, testar e ampliar a produção de diagnósticos, terapias, medicamentos e vacinas seguros, eficazes, de qualidade, acessíveis, para a resposta COVID-19, incluindo os mecanismos existentes para pool e licenciamento voluntários de patentes para facilitar o acesso oportuno, equitativo e acessível a eles, consistente com as disposições dos tratados internacionais relevantes, incluindo as disposições do acordo TRIPS e as flexibilidades, conforme confirmado pela Declaração de Doha sobre o Acordo TRIPS e a Saúde Pública;
  • OP8.3 – Abordar e, quando relevante, em coordenação com os Estados-Membros, a proliferação de desinformação e desinformação, particularmente na esfera digital, bem como a proliferação de atividades cibernéticas maliciosas que prejudicam a resposta à saúde pública e apoiam a provisão oportuna de objetivos claros e objetivos. dados e informações científicas para o público;

OP9 – SOLICITA ao Diretor-Geral que:

  • OP9.1 – Continuar trabalhando com o Secretário-Geral das Nações Unidas e organizações multilaterais relevantes, incluindo as agências signatárias do Plano de Ação Global para Vidas Saudáveis ​​e Bem-Estar, em uma resposta abrangente e coordenada em todo o sistema das Nações Unidas para apoiar os Estados Membros em suas respostas à pandemia do COVID-19, em plena cooperação com os governos, conforme apropriado, demonstrando liderança em saúde no sistema das Nações Unidas e continuando a atuar como líder do cluster de saúde na resposta humanitária das Nações Unidas;
  • OP9.2 – Continuar a desenvolver e fortalecer as capacidades da OMS em todos os níveis para desempenhar plena e efetivamente as funções que lhe são confiadas pelo RSI;
  • OP9.3 – Ajudar e continuar a exortar todos os Estados Partes a tomar as ações de acordo com as disposições do RSI, inclusive fornecendo todo o apoio necessário aos países para construir, fortalecer e manter suas capacidades para cumprir plenamente o RSI;
  • OP9.4 – Prestar assistência aos países, mediante solicitação, de acordo com seu contexto nacional, para apoiar o funcionamento seguro contínuo do sistema de saúde em todos os aspectos relevantes necessários para uma resposta eficaz da saúde pública à pandemia do COVID-19 e outras epidemias em andamento e a prestação ininterrupta e segura de serviços de nível populacional e individual, para, entre outras, doenças transmissíveis, inclusive por programas de vacinação ininterruptos, doenças tropicais negligenciadas, doenças não transmissíveis, saúde mental, saúde materna e infantil e saúde reprodutiva e sexual e promover uma nutrição melhorada para as mulheres e filhos;
  • OP9.5 – Ajudar os países, mediante solicitação, no desenvolvimento, implementação e adaptação de planos nacionais de resposta relevantes ao COVID-19, desenvolvendo, disseminando e atualizando produtos normativos e orientação técnica, ferramentas de aprendizado, dados e evidências científicas para as respostas do COVID-19, incluindo: combater a desinformação e desinformação, bem como atividades cibernéticas maliciosas, e continuar a trabalhar contra medicamentos e produtos médicos abaixo do padrão e falsificados;
  • OP9.6 – Continuar trabalhando em estreita colaboração com a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) e países, como parte da Abordagem de uma saúde para identificar a fonte zoonótica do vírus e a via de introdução à população humana, incluindo o possível papel de hospedeiros intermediários, inclusive através de esforços como missões de campo científicas e colaborativas, que permitirão intervenções direcionadas e uma agenda de pesquisa para reduzir o risco de eventos semelhantes, bem como fornecer orientação sobre como prevenir a infecção por SARS-COV2 em animais e seres humanos e impedir o estabelecimento de novos reservatórios zoonóticos, bem como reduzir outros riscos de emergência e transmissão de doenças zoonóticas
  • OP9.7 – Informar regularmente os Estados Membros, inclusive por meio dos Órgãos Diretivos, sobre os resultados dos esforços de captação de recursos, a implementação global e a alocação de recursos financeiros por meio do Plano Estratégico de Resposta e Resposta (SPRP) da OMS, incluindo lacunas de financiamento e resultados alcançados, em de maneira transparente, responsável e rápida, em especial no apoio prestado aos países;
  • OP9.8 – Observando rapidamente o OP2 da RES / 74/274 e em consulta com os Estados Membros 1 e com contribuições de organizações internacionais relevantes da sociedade civil e do setor privado, conforme apropriado, identifique e forneça opções que respeitem as disposições dos tratados internacionais relevantes , incluindo as disposições do acordo TRIPS e as flexibilidades confirmadas pela Declaração de Doha sobre o Acordo TRIPS e a Saúde Pública, a serem usadas na ampliação das capacidades de desenvolvimento, fabricação e distribuição necessárias para um acesso equitativo e oportuno transparente a qualidade, segurança, preço acessível e diagnósticos, terapêuticas, medicamentos e vacinas eficazes para a resposta COVID-19, levando em consideração os mecanismos, ferramentas e iniciativas existentes, como o acelerador Access to COVID-19 Tools (ACT), e apelos de compromisso relevantes, como “The Coronavirus Global Resposta ”, pela consideração organização dos órgãos sociais;
  • OP9.9 – Garantir que o Secretariado tenha recursos adequados para apoiar os Estados Membros na concessão de aprovações regulatórias necessárias para permitir contramedidas oportunas e adequadas ao COVID-19;
  • OP9.1 – 0 Iniciar, o mais rapidamente possível, e em consulta com os Estados Membros, 1a processo gradual de avaliação imparcial, independente e abrangente, incluindo o uso dos mecanismos existentes, se for o caso, para revisar a experiência adquirida e as lições aprendidas dos países internacionais coordenados pela OMS. resposta de saúde ao COVID-19, incluindo:
  • (i) a eficácia dos mecanismos à disposição da OMS;
  • (ii) o funcionamento do RSI e o status de implementação das recomendações relevantes dos Comitês de Revisão anteriores do RSI;
  • (iii) a contribuição da OMS para os esforços das Nações Unidas e (iv) as ações da OMS e seus cronogramas referentes à pandemia do COVID-19 e fazer recomendações para melhorar a prevenção, preparação e capacidade de resposta da pandemia global, inclusive através do fortalecimento, conforme apropriado, o Programa de Emergências em Saúde da OMS;
  • OP9.11 – Relatório à Quadragésima Quarta Assembléia Mundial da Saúde, por meio da 148 a sessão do Conselho Executivo, sobre a implementação desta resolução.

Fonte: 73ª Assembleia Mundial da Saúde/OMS

Imagem – Créditos: © Lusa.

Lascia un Commento

L'indirizzo email non verrà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati con *

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i tuoi dati di feedback.